domingo, 27 de novembro de 2016

Reflexões de 2016 e projeções para 2017

Foi uma ano em que pouco se esperava do Avaí, com a queda para a Série B na temporada passada, afundado num caos financeiro, sem credibilidade, o que nos restava era acreditar na mística e pesada camisa avaiana. No meio desse turbilhão, veio a renúncia de Nilton Macedo, com Francisco Batistotti sendo alçado como presidente.

Um péssimo catarinense, onde novamente o clube brigou para não cair. Um primeiro turno muito ruim, ficando apenas 3 pontos da zona de rebaixamento. Com a saída de Silas e a chegada de Claudinei, aliada a volta de Marquinhos, a contratação de Betão, e a efetivação de Joceli dos Santos no departamento de futebol, o Leão engatou os caminhos da vitória e conseguiu o acesso.

Digo isso, porque eu era totalmente contra a presença de Batistotti na presidência do Avaí. E não porque não goste dele, até mesmo porque não o conheço, mas por ele estar participando nos anos anteriores na administração clube, onde a dívida aumentou de maneira absurda por falta de gestão. Sim, Batistotti foi responsável pelo financeiro e vice presidente no ano passado.

É bem verdade que ninguém sobe sem méritos, acho que no caso desse ano, os atletas, funcionários e departamento de futebol, tem o mérito total do acesso. Pois mesmo com salários atrasados, desorganização, eles foram extremamente profissionais e honraram a camisa do Avaí. Na minha opinião, era um dos times mais limitados que vi jogar, mas com toda certeza, o mais eficiente. 

Voltando ao presidente Batistotti, ele também teve méritos pelo acesso, soube absorver as pancadas que levou, diga-se de passagem justas, e entra na história com o acesso. Foi inteligente ao estreitar as relações com o empresário Eduardo Uram, pois além de não ter dinheiro, o Avaí não tinha credibilidade, adquirida junto a outros clubes e empresários de atletas, através do mesmo Eduardo Uram.

Problemas administrativos, muitos colaboradores desqualificados para exercer funções importantes para o funcionamento do clube ainda estão presentes na gestão Batistotti. Isso tudo não se apaga apenas com um acesso. Batistotti tem a grande chance de transformar-se no presidente que deu uma virada dentro do Avaí. Se ele realizar as ações que vem prometendo, 2017 será um ano bem mais tranquilo e de transformações no Avaí.

Terei o maior prazer de no final da temporada de 2017 vir aqui nesse mesmo espaço e elogiar as ações de Batistotti, porém hoje, ainda lhe vejo com muita desconfiança. É inadmissível que no Mês de Agosto, o clube já tenha usado todo o seu orçamento e ficar sem receitas e com salários atrasados. Espero que esse novo acesso, esse aumento significativo nas receitas para a temporada de 2017, sirva para uma "reconstrução" administrativas e que a gente não passe mais por situações como esta. No mais, que tenhamos todos um final de ano com muita saúde, e um ótimo 2017. Parabéns a torcida do avaiana, que novamente fez a diferença. UMA BOA SEGUNDA!

sábado, 23 de julho de 2016

A incompetência se instalou no sul da ilha

As vitórias seguidas contra Vila Nova e Vasco deram um fôlego ao Leão, talvez nos fez sonhar com algo um pouquinho maior, porém a realidade voltou a bater forte forte em nossa porta. Nosso clube está uma bagunça, tem como presidente o cara que "geria" o dinheiro ano passado, e fez "sumir" a grana, não tendo um tostão a partir de Agosto.

Francisco Batistotti não tem a mínima condição de ser presidente de uma instituição como o Avaí, se quer postura esse senhor tem. Chegou falando em choque de gestão, contratações de atletas de "série a", tudo conversa fiada, coisa para enganar o já desconfiado torcedor.

O administrativo do clube continua o mesmo, os mesmos incompetentes ainda permanecem trabalhando no Avaí. Porque? Qual o medo de demitir esses caras, sabem de mais? Rabo preso?

O que Marcelo Gonçalves faz ou fez para estar em um dos cargos mais importantes, se não o mais importante do departamento de futebol? A única contratação que se tem notícia feita por ele, foi do seu escudeiro Agnello Gonçalves, que até agora, também não se sabe para que veio. Estão apenas onerando os cofres do clube, até mesmo que dizem que há muitas diferenças entre Silas e os Gonçalves.

Partindo para dentro das 4 linhas, já temos um time extremamente limitado, e mesmo assim Silas consegue piorar. Gostaria de saber quem é o empresário do tal de Luan, indicação de Silas, que é muito pior que Judson e muito pior que Braga. Porém é titular absoluto, jogador cintura dura, pesado e lento. Todo lance que disputa, faz falta. Da mesma maneira não entendo a insistência em William, outrora ídolo da torcida avaiana, hoje não reúne  a mínima condição física para estar em campo. 

É Silas quem escala, portanto um dos maiores, se não o maior culpado. Sua teimosia principalmente no início de campeonato, nos custou pontos importantes que poderiam nos dar tranquilidade. A insistência insana em Tauã, e João Paulo por exemplo, são coisas que não entram na cabeça do torcedor avaiano. 

Quando a coisa está feia é que sabemos se temos um treinador de verdade ou não. Ontem Silas mostrou-se fraco e ultrapassado, tomando o gol com menos de 1 minuto de jogo e tendo um jogador expulso aos 30 do primeiro tempo, Silas bagunçou ainda mais o time. O placar só não foi mais elástico, devido a falta de qualidade do Náutico. 

Nosso futuro esta em cheque, é para se pensar. Nós torcedores avaianos queremos mesmo Francisco Batistotti como presidente? E os "zeros" a esquerda dos Goncalves comandando o departamento de futebol? Para completar, Silas já está fazendo hora extra. Aliás, se dependesse de mim, jamais teria voltado ao clube. Com a resposta, o torcedor avaiano!


quarta-feira, 15 de junho de 2016

O buraco é logo ali

Era para estarmos falando dos jogos, do desempenho do time, das virtudes e limitações do nosso elenco, mas a coisa está tão feia, que é impossível não falar do fraco treinador e do extra campo.

A cegueira do treinador Silas é tão irritante, que é impossível não achar que ele está de sacanagem. Não é possível que na contra mão de tudo e todos, o "treinador" avaiano joga com um meio de campo esvaziado, sem marcação e muito menos saída de bola. 

Não entra na minha cabeça, como um treinador de futebol em pleno século XX!, jogo com apenas 2 homens de meio de campo. Sendo que são dois garotos, e ambos com características de meias e pouca pegada.

Senão bastasse esse esquema completamente imbecil, é impossível entender as escolhas de Silas. O volante Braga que foi preterido sabe-se lá porque pelo comandante avaiano, entrou no sábado contra o Joinville apenas por necessidade, e foi muito bem, mesmo assim ficou no banco do recém contratado Luan.

William e Tatá são outros dois jogadores que não fazem por merecer a vaga de titular, para começar é nítido a péssima forma física dos de ambos. Aliás a entrevista após o jogo contra o Joinville concedida pelo centroavante William, beira ao ridículo. William saindo na defesa do treinador Silas, criticou a torcida avaiana, por estar vaiando o péssimo trabalho do comandante avaiano.

William disse em alto e bom som, que o torcedor avaiano não tem memória e é ingrato, por tudo que o Silas ganhou pelo clube. Só para refrescar a memória do atacante William, todas as passagens de Silas por aqui, que eu saiba ele não veio de graça. E mais, todas as vezes que recebeu uma proposta melhor financeiramente, assim como o próprio William sempre fez, se mandou. Tanto não temos falta de memória que nós torcedores jamais queríamos a volta tanto de William, como do treinador Silas.

Inclusive a contratação do obeso William, foi mais M.... feita pelo atual presidente Francisco Batisttotti,  que na época passou por cima dos homens do futebol, e juntamente com o então estagiário Evando, foram a Fortaleza para busca-lo.

O Avaí está sem comando, o clube numa crise terrível, e o presidente no Japão, em reunião com o pai do Toshi. Gonçalves não manda nada, está ali apenas para levar cachecol em show e entregar a cantores. Agnello Gonçalves não serve para nada, até hoje não sabemos a sua função, apenas onerando a folha de pagamento.

Não vejo ninguém com força para peitar e dar um soco na mesa, acabar com essa baderna e várzea que se instaura há tempos no Avaí Futebol Clube. Ou comece a faxina demitindo Silas, ou cairemos para a Série C, infelizmente é a nossa realidade!

sábado, 11 de junho de 2016

Até quando, Silas?

Após a derrota contra o Bragantino não tive estômago para escrever. Silas colocando a culpa no CK, teve a oportunidade de arrumar a bagunça, mas continuando com a sua insistência insana, para não dizer burra, apenas trocou as peças, mas manteve esse "esquema" medíocre e falho, e novamente perdeu de forma vergonhosa.

Hoje contra o Joinville vimos mais uma vez a história se repetir, com o mesmo esquema, o Leão conheceu a primeira derrota na Série B dentro da Ressacada. Novamente com o meio de campo esvaziado, com escolhas de jogadores equivocadas, saímos com a derrota. Passamos os 90 minutos e mais os acréscimos, dando apenas um chute a gol.

Facilitado pela falha idiota de João Paulo, jogador que tem menos força que uma criança de 5 anos, não tivemos competência para sequer empatar, contra o sofrível Joinville. Mas o determinante foi a falta de visão e porque não, qualidade de nosso técnico. 

Na volta para o segundo tempo, Silas colocou Braga no lugar de Jajá, que saiu machucado. No entanto, o treinador do Avaí levou 75 minutos para enxergar que Tatá com esse corpinho, não tem condições nenhuma de estar em campo. Já na volta do intervalo, o Leão deveria voltar com Braga e Caio César nos lugares de Jajá (que saiu machucado) e Tatá, que não viu a cor da bola.

Para completar a lambança (que estende-se desde a volta desse cara ao comando técnico do Avaí), Silas tirou Lucas de Sá, único jogador capaz de em algum lampejo, acertar um passe mais qualificado para os atacantes. Também ficamos sem entender a entrada de Yuri, que em nada acrescentou.

No final em que pesa a baixíssima qualidade de ambos os times, não merecemos nada melhor que o 0X1. Silas é fraco e ultrapassado, escora-se no passado em que tinha um timaço em suas mãos. Que ele servia apenas para não atrapalhar, porque o resto, Marquinhos Santos e os outros atletas resolviam em campo. Esse cara vai nos rebaixar, até quando Silas?

domingo, 5 de junho de 2016

Ainda bem que vencemos, mas falta muita coisa

Foi mais um jogo aonde vimos mais do mesmo, o Leão saiu na frente no princípio do jogo. Após roubada de bola de Tauã, e boa trama com Renato, Tauã foi no fundo e fez ótimo cruzamento, encontrando Romarinho no segundo pau, que arrematou de primeira abrindo o placar.

E foi só no primeiro tempo, após o gol, o CRB dominou as ações do jogo, com liberdade no meio de campo, chegava com muita facilidade ao gol avaiano. Aos 23 minutos em um chute de fora da área, Gerson Magrão contou com a falha do goleiro Renan (que tem muito crédito), e empatou o jogo.

Ficamos acoados no campo de defesa, apenas nos defendendo e dando chutões para o ataque. Sem qualquer organização, o Avaí foi facilmente envolvido e parecia questão de tempo tomar a virada. O CRB ainda acertou uma bola no travessão. mas para a nossa sorte, o primeiro tempo finalizou empatado.

O panorama do segundo tempo não mudou, sem alterações no intervalo, o Leão voltou muito mal novamente. Silas fez a primeira substituição aos 17 minutos, Lucas Fernandes veio para o jogo. Porém a substituição de Silas foi mal executada, Tauã que fazia a sua melhor apresentação (na minha opinião, é claro), foi o escolhido para sair. Tatá que vinha muito mal no jogo, permaneceu.

Mas a substituição que mudaria o jogo seria a entrada de Caio César, não que ele seja um craque, mas por ser da posição, preencher o meio campo. O Avaí equilibrou o jogo, e passou a correr poucos riscos. O ponto de desequilíbrio foi a expulsão de Bocão, aliás ao meu modo de ver injusta, pois foi uma jogada que no máximo mereceria o cartão amarelo.

Como o Avaí não tem nada haver com isso, na base do abafa, o Leão chegou a vitória aos 47 do segundo tempo com outro gol de Romarinho, aliás um belo gol. Vitória muito importante, porém me preocupa e muito a produção do time. Silas esta completamente perdido, só ele não enxerga o vazio que temos no meio de campo com essa formação. Na próxima rodada, enfrentaremos o Bragantino fora de casa, espero ver um time com coragem e atitude, e não aquele time morto que atuou em Criciúma.

quarta-feira, 1 de junho de 2016

Derrota Vexatória

A derrota de ontem foi vexatória, não pelo resultado em si, mas pelo comportamento do time dentro de campo. Um time totalmente desorganizado, sem um modelo de jogo e mais, um time frouxo sendo dominado amplamente pelo também frágil Criciúma. A derrota na noite de ontem me deixou mais chateado que se tivéssemos tomado um 3x0, um time sem alma, praticamente um jogo de dois times amadores.

Aliás dos 5 jogos disputados até o momento na Série B, apenas contra o Sampaio Correia conseguimos ter uma certa superioridade, em todos os outros jogos, fomos amplamente dominados, e para a nossa sorte, conseguimos ainda assim uma vitória e um empate.

Desde o início viemos dizendo que não há como jogar com um meio de campo desses, quando o time é frágil tecnicamente e principalmente em formação, a primeira providencia e povoar o meio de campo. Fico a me perguntar, o que Silas tem na cabeça? Será que ele não enxerga que somos engolidos no meio de campo?

Aliás sobre Silas nunca nutri muita simpatia por seus trabalhos. Mas como nas suas outras passagens pelo Avaí foram boas, tive que engolir. Suas entrevistas pós jogos são dignas de pena, não responde nada com nada e para piorar, coloca a culpa no desgastes do atletas e na reconstrução do time. Silas está há 2 meses no comando do time, e somos um amontoado em campo. 

Ontem com todo respeito que merece o atleta e homem Toshi, coloca-lo em campo foi um afronto as tradições do Avaí. Realmente Silas tem conseguido deixar o já frágil tecnicamente time do Avaí, ainda pior com suas escolhas.

Fora de campo Gonçalves é um fantoche, sua única contratação foi Agnello Gonçalves, que até o momento também não sabemos para que. Aliás, Gonçalves e seu fiel escudeiro Agnello, não conseguiram tirar o Volante Marcio Passos do glorioso ABC, que disputa a Série B. Só por isso já deveriam ser demitidos.

Amigos, infelizmente essa é a realidade que estamos passando. Ou nosso treinador coloca a cabeça no "local", ou sofreremos muito nessa sofrível Série B.

segunda-feira, 11 de abril de 2016

As mudanças não podem parar

Toda essa bagunça que agora que transformou-se o Avaí, fazendo um clube quase centenário passar vergonha, foi cantada por todos nós torcedores a muito tempo. É claro que alguns resultados de campo, escondiam a péssima administração Nilton Macedo, nada mais do que a continuidade da gestão Zunino, que ao meu ver, deu início a esse caus.


Hoje, Nilton Macedo admitiu o que todos nós torcedores avaianos esperávamos, irá se retirar da presidência do clube, diga-se de passagem, pelas portas do fundo. Nilton Macedo em nenhum momento comportou-se como presidente avaiano, despreparado para a função mais importante do clube, é o principal responsável pelo péssimo momento vivido dentro e fora de campo.


Saímos de um problema e caímos em outro, Francisco Batisttotti insiste em não sair junto com o presidente. Batisttotti tem uma rejeição ainda maior que o agora ex-presidente Nilton Macedo. Sem apoio, sem discernimento, Francisco Batisttotti não tem a menor capacidade de gerir o Avaí Futebol Clube. O melhor caminho para o clube sair desta crise institucional grave que se encontra, seria a retirada imediata também do vice presidente Francisco Batisttotti.


Temo pela integridade física de Francisco Batisttotti, tamanho a rejeição de sua pessoa tantos nas redes sociais como as organizadas do clube, embora eu condene completamente partir para a violência física. Batisttotti não estará seguro na presidência do Avaí.


Não podemos esquecer que nossos problemas não resume-se apenas na renuncia do presidente e vice, toda a nossa diretoria deveria sair junto. Na parte do departamento de futebol, é inaceitável um gerente de esportes, responsável pela montagem do time como é Gonçalves, afirmar em entrevista que enganou-se com o orçamento. Só por esse motivo, já deveria ser demitido imediatamente.


Mas o que esperar desse "profissional", que segundo o próprio ex-presidente, foi contratado por ele através do google, em pesquisa feita pelo ex-mandatário do clube. Aliás a única coisa que Gonçalves trouxe ao Avaí, foi Agnello Gonçalves. Aliás, qual a função de Agnello Gonçalves, uma vez que não deu as caras em nenhum momento até agora na Ressacada. Chego a conclusão que veio ao clube apenas para onerar os cofres já esvaziados do Avaí.


No início do ano Eduardo Costa avisou, foi bem claro porque não aceitou assumir o futebol, e que o problema do Avaí era institucional. Ao invés de dar ouvido ao ex-atleta e torcedor avaiano, preferiram apostar mais uma vez em forasteiros. Trouxeram dois cariocas para mais uma vez contar historia a todos nós, o tempo esta encarregando-se de mostrar quem estava certo.


Para finalizar, a mudança começou. Mas não pode parar, Nilton Macedo, Francisco Batisttotti, Marcelo Gonçalves, Agnello Gonçalves, João Mauricio entre outros tantos, estão de hora extra no sul da ilha. Se quisermos um Avaí pelo menos competitivo já na série b, estas mudanças não podem passar da semana que vem. Todos nós avaianos precisamos caminhar juntos e do mesmo lado!